sexta-feira, 6 de julho de 2012

NUA, ÉS COMO OS FRUTOS CONTRA O VENTO...


A tela do artistas plástico Gabriel Ferreira, feita exclusivamente para o meu soneto "Nua, és como os frutos contra os ventos...", pertencente ao meu livro "A pele de Esaú": http://poetasilverioduque.blogspot.com.br/2011/09/imperdivel-meu-livro-pele-de-esau-por.html



NUA, ÉS COMO OS FRUTOS CONTRA O VENTO...

(por Silvério Duque)



Nua, és como os frutos contra o vento,
o contrair impuro de teus músculos,
como a transpiração das tuas flores,
vela chorando só em meio as preces...

És como um dispersar de velhas missas,
espaços partilhados pela ausência,
a sensação pesada, o Fogo Eterno,
és a falta, o princípio, o musgo, a fera...

Nua és como as frestas e as janelas,
as marcas de meus dentes em teu seio,
a certeza insensata das promessas...

És a busca e a descida a toda fonte,
o vento repetido em toda parte,
minha dor, minha paz e meu reflexo.

Um comentário:

Idmar Boaventura disse...

Belíssimo quadro, e belíssimo poema meu caro amigo. Tem sido um deleite ler A pele de Esaú. Grande abraço!