quinta-feira, 2 de abril de 2009

UMA HOMENAGEM À CECÍLIA MEIRELLES


A poetisa Cecília Meirelles (1901-1964)

A BALADA DE CECÍLIA

à Danielle Pinheiro





Convém-nos que esta noite seja clara
ou simplesmente a última, sabendo
que todo o mundo dorme e as nossas almas
são uma chaga a mais que o mundo abriu...

Convém-nos que esta noite seja pura
como as pedras e os ventos, tão contrários,
mas tão repletos desta mesma essência,
e tão suaves como estes silêncios...

E enfim, toda esta noite seja breve
como o instante em que, mortos, renascemos
para todas as coisas que buscávamos:

as nossas mãos sem rumo e sem mistérios...
nossos espelhos sem nenhuma face...
nossa boca calada com um beijo.



Um comentário:

hipergheto disse...

Finalmente vc voltou a postar poemas. Grande abraço e vida longa.